Conecte com a gente




Mundo Cristão

Mais de 120 igrejas atacadas desde o início da guerra civil na Síria: relatório

Pelo menos 124 ataques a igrejas na Síria ocorreram desde o início da guerra civil síria, com o regime do presidente Bashar al-Assad responsável por 60% desses ataques, afirma um novo relatório de um grupo de monitoramento associado à oposição.

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

A Rede Síria para os Direitos Humanos, sediada no Catar – uma organização não governamental que monitora o conflito na Síria – divulgou um novo relatório em 5 de setembro intitulado “ Alvejar os locais de culto cristão na Síria é uma ameaça ao patrimônio mundial. “

O relatório baseia-se no monitoramento diário da organização de notícias e desenvolvimentos, bem como em sua rede de fontes em várias cidades e comunidades que foram criadas desde o lançamento em 2011.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O registro de ataques do relatório inclui atentados contra locais de culto civis sem quartel-general ou equipamento militar nas proximidades, bem como casos em que locais de culto foram transformados em quartel-general militar. 

O registro de ataques também inclui locais de culto que foram submetidos a mais de um ataque, em alguns casos realizados por diferentes partes. 

O relatório conclui que o regime sírio “assume a responsabilidade primária” por pouco mais de 60% da “segmentação de locais de locais de culto cristão na Síria” entre março de 2011 e setembro de 2019.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O relatório afirma que o regime de Assad é responsável por pelo menos 75 ataques contra 48 igrejas nos oito anos desde o início da guerra civil.

Segundo o relatório, os ataques atribuídos ao regime de Assad foram realizados pelo exército, forças de segurança, milícias locais ou milícias xiitas estrangeiras (como as apoiadas pelo Irã para apoiar Assad). 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O relatório também mostra que facções da oposição armada são responsáveis ​​por 33 ataques contra 21 igrejas, enquanto o grupo extremista do Estado Islâmico foi responsável por 10 ataques contra oito igrejas. O Hay’at Tahrir al-Sham, vinculado à Al Qaeda (uma aliança entre a Frente Fatah al-Sham e outros grupos da oposição) é responsável por dois ataques a duas igrejas. 

Quatro ataques foram atribuídos a “outras partes”.

“Apesar de os locais de culto serem designados como propriedades culturais e religiosas que devem ser protegidas, o bombardeio aéreo pesado e contínuo na Síria resultou na destruição parcial ou total de um grande número de locais de culto”, diz o relatório. 

“A segmentação dos locais de culto cristão é uma forma de intimidação e deslocamento da minoria cristã na Síria. O atual regime tem responsabilidade direta pela destruição, deslocamento e colapso do estado sírio em vários níveis, porque é a principal causa das instituições estatais sírias … sendo usadas para iniciar uma guerra sistêmica contra a revolta popular … ”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Muitos na Síria desejam ver o país abraçar um sistema democrático de governo e fugir do governo autoritário de Assad e sua família. 

Enquanto o regime de Assad alegou ser “um protetor” dos cristãos na Síria e muitos cristãos no país apóiam o presidente , o relatório da ONG sugere que as forças sírias atacarão qualquer comunidade que considere ser contra Assad. 

“O regime sírio sempre invocou slogans positivos pintando a si mesmo como ‘protetor’, mas no terreno fez o contrário”, disse o presidente da SNHR, Fadel Abdul Ghany, em comunicado. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Embora o regime afirme que não cometeu nenhuma violação e que está interessado em proteger o estado sírio e os direitos das minorias, realizou operações qualitativas para suprimir e aterrorizar todos aqueles que buscavam mudanças e reformas políticas, independentemente da religião. ou raça, e se isso causa a destruição do patrimônio da Síria e o deslocamento de suas minorias. ”

Erica Hanichak, diretora de relações governamentais dos americanos pela Síria Livre, um grupo que promove a democracia secular para o povo sírio, disse a repórteres em uma teleconferência na segunda-feira que a violência na Síria coincidiu com um êxodo em massa de cristãos da Síria. 

Antes do início da guerra, os cristãos representavam 7,3% da população síria, ou 1,7 milhão, entre uma população total de 23 milhões. Hoje, porém, os cristãos representam entre 1,9% e 2,5% da população, segundo ela, que é menos de 450.000 pessoas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“A maioria dos sírios com quem converso realmente credita a desaceleração do regime de Assad”, disse Hanichak, acrescentando que a ascensão do Estado Islâmico no nordeste da Síria também teve um papel importante. “Mas isso dito, também se resume à perseguição deliberada de áreas cristãs pelo governo sírio.”

Ghany disse a repórteres que os ataques contra as igrejas acontecem com o mesmo número de centros civis vitais.

“Os hospitais são mais direcionados do que as igrejas, mas isso pode ser porque a quantidade de hospitais na Síria é maior”, disse ele. “As escolas foram mais direcionadas do que as igrejas. No contexto da igreja, isso é muito sensível. Para mim, pessoalmente, e para a minoria síria, [precisamos] impedir uma ameaça à minoria [que os obriga] a serem migrantes. ”

Hanichak afirmou ainda que o regime de Assad tem o hábito de acusar os centros civis de serem bases de operações militares rebeldes. 

“É um padrão que eles usam nos hospitais. É um padrão que eles usaram com centros operados pelos White Helmets [associações de ajuda voluntária que operam em áreas controladas por rebeldes], que eles alegarão serem células terroristas e coisas assim ”, disse ela. “É o [modus operandi] do regime justificar amplamente a segmentação”.

Asaad Hanna, jornalista e ativista de direitos humanos que recentemente visitou cinco igrejas no campo de Idlib, no noroeste da Síria, disse a repórteres que ainda existem centenas de cristãos morando lá. 

“Eles estão fazendo suas orações todos os dias durante a noite. Eles estão orando nas igrejas por uma hora todos os dias e também aos domingos ”, disse ele, explicando que há muitas famílias deslocadas vivendo nas igrejas ou nas proximidades. 

“Existem muitos danos em algumas igrejas, mas o dano foi causado por bombardeios e ataques à área desde o início de 2011, quando o regime começou a atacar as igrejas”.

Por Samuel Smith , Repórter da CP

Comentar este Artigo:
Continue lendo
Publicidade



PUBLICIDADE