Conecte com a gente




Policial

Policiais acusados de pertencer a organização criminosa em Jaru são condenados no TJRO

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

No julgamento de apelação criminal envolvendo policiais militares, a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia, condenou 6 acusados de realizarem vários delitos, entre 2012 e meados de 2016, no município de Jaru. Com a condenação eles perdem a função pública, pelo crime de organização criminosa.

A condenação em segunda instância não usurpa a competência do Tribunal do Júri, podendo a acusação dos crimes de homicídios ser implementada pelo Ministério Público para levar os acusados a júri popular. O julgamento ocorreu quinta-feira, 15, na 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia.

Do total de condenados, dois irão cumprir 8 anos e dois meses de reclusão, e um 7 anos e dois meses; estes cumprirão a sentença no regime fechado, inicialmente. Os demais cumprirão as penas em regime semiaberto, uma vez que dois foram condenados à pena de 5 anos e dois meses, e um 4 anos e seis meses. A organização, que tinha núcleo de execução, apoio e imprensa, atuava no município de Jaru.

Segundo o voto do relator, desembargador Daniel lagos, “o grupo de extermínio nasceu na segurança privada clandestina, embalado na fantasiosa figura do herói que livra a sociedade do bandido”, exterminando-os apoiado no exercício da função pública de policial, com ampla divulgação na mídia. Ainda segundo o relator, “a autoria dos homicídios não precisa ser provada nesta ação”, “poderá ser implementado oportunamente pelo acusador, como é dito na denúncia” ministerial.

Narra o voto do relator que em princípio o grupo organizado visava oferecer proteção e segurança a comerciantes e moradores em Jaru, mas depois avançou para promoção de “limpeza”, isto é, extermínios de criminosos envolvidos em pequenos delitos como “usuários de drogas, presidiários e ex-detentos do regime semiaberto. Em seguida, segundo o voto do relator, o grupo implementou sua postura e passou a intimidar eventuais colaboradores, impôs toque de recolher, “exigência de silêncio para potenciais informantes não testemunharem contra os executores sobre ameaças, torturas, abusos de autoridade e manipulação das circunstâncias dos fatos. Além disso, alguns homicídios foram praticados com a intenção de assegurar a impunidade de outros crimes, eliminando-se potenciais testemunhas e promovendo o que se conhece por queima de arquivo”.

Segundo o voto, “os homicídios eram praticados sempre por dois homens ocupantes de uma motocicleta cor preta ou escura, normalmente entre 20 e 23 horas”; usavam armas de fogo curtas, calibre .38. Trajavam roupas completas, com a preocupação de não deixar à mostra quaisquer elementos denunciativos, havendo, inclusive, cobertura das mãos com luvas, além de capacetes escuros e viseiras abaixadas”. “Com essas mortes, ao menos em princípio, além da satisfação dos ‘clientes’, a própria satisfação pessoal (dos criminosos) de extirpar do convívio jaruense indivíduos que, segundo os membros da organização, não eram merecedores do mais básico direito humano: o direito à vida”. A acusação aponta para cerca de 8 assassinatos praticados pela organização.

Cinco dos 11 acusados no processo foram inocentados por falta de provas. Participaram do julgamento os desembargadores Daniel Lagos (presidente da Câmara e relator), José Antonio Robles e Valdeci Castellar Citon.

Apelação Criminal n. 0004392-63.2015.8.22.0003

Continue lendo
Publicidade
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Capital

PORTO VELHO: Acusado leva terçadada no rosto após tentar furtar carro na Zona sul

O caso aconteceu na frente do imóvel da vítima localizado na Rua Tamareira, bairro Castanheira.

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

 O casal Rafael Y. D. do N., 26 anos e Ramila de S. T., 27 anos, foi preso no final da tarde desta sexta-feira (06), após eles tentarem furtar um automóvel modelo Fiat Uno na frente do imóvel da vítima localizado na Rua Tamareira, bairro Castanheira, região sul de Porto Velho.

 De acordo com informações da vítima, ele estava roçando o quintal com um facão, quando percebeu que seu carro estava sendo furtado e mais a frente o carro parou e uma mulher entrou no veículo e saíram em alta velocidade, a vítima rapidamente seguiu o veículo com ajuda de populares e se aproximou e mandou o suspeito sair do  carro e nesse momento ele fez menção de pegar uma arma e a vítima deu uma terçadada no rosto do suspeito que ainda tentou acelerar o veículo e acabou batendo deixando a frente do automóvel amassado, e mesmo lesionado ele ainda tentou correr e foi preso mais a frente com a comparsa.

Suspeito

A vítima levou um corte na cabeça devido ter sofrido uma queda no momento que tentou abordar o suspeito e foi levado para UPA sul para sutura. O suspeito que estava com o rosto cortado também foi levado para o hospital João Paulo II para que pudesse receber atendimento médico e posteriormente encaminhado para central de flagrantes juntamente com com a suspeita Ramila.

Fonte: NewsRondonia

Continue lendo

Capital

Irmão mata a irmã com tiro na cabeça por dívida na zona leste de Porto Velho

Após ser constatada a morte da vítima, dois elementos, ambos com 19 anos, entraram na casa e pegaram a arma que estava jogada e saíram, porém foram alcançados por populares.

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

Porto Velho, Rondônia – Um jovem identificado como Ítalo Venâncio Lima Vieira, 18 anos, matou a própria irmã,  Davilla Vitória Lima Vieira, 19 anos, com um tiro na cabeça durante a noite desta  sexta-feira (06), no quarto de uma residência localizada na rua Cabo Verde, bairro Três Marias, setor leste de Porto Velho. O atirador foi preso horas depois. 

De acordo com informações de  testemunhas, a vítima estava no quarto quando o irmão chegou e cobrou uma suposta dívida  e logo em seguida  efetuou um disparo na cabeça dela, quase à  queima roupa. O elemento ainda esperou a chegada do Samu; só então fugiu correndo.

Após ser constatada a  morte  da vítima, dois elementos,  ambos com 19 anos, entraram na casa e pegaram a arma que estava jogada e saíram, porém foram alcançados por populares. A  Polícia Militar militar  prendeu a dupla com a  arma de fogo calibre 28 de fabricação caseira.

Qustionados sobre a arma, um deles disse à polícia que era de sua propriedade e que havia emprestado para o acusado, mas  não fazia ideia sobre um possível crime, quanto mais contra a própria irmã.

Mais tarde, policiais da Delegacia de Crimes Contra a Vida prenderam Ítalo Venâncio. 

Arma do crime resgatada do local por dois elementos, que acabaram presos

Fonte: Tudo Rondônia

Continue lendo

Capital

NA CAPITAL: Mulher tenta matar vizinho a tiros, mas acaba acertando adolescente

Quando a Polícia Militar foi acionada, o adolescente já estava recebendo atendimento médico na UPA.

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

Um adolescente de 16  anos foi baleado na noite de quinta-feira (06) em uma residência localizada na zona Leste de Porto Velho (RO). Ele teria sido vítima de bala perdida.

Quando a Polícia Militar foi acionada, o adolescente já estava recebendo atendimento médico na UPA. Ele foi alvejado no braço esquerdo, o disparo transfixou e ficou alojado no tórax dele.

Aos policiais, o adolescente contou que a autora do disparo teria sido uma mulher de prenome Rafaela que pretendia matar o vizinho dele, mas acabou o acertando. A suspeita do crime não foi encontrada e o adolescente baleado foi transferido pelo Samu ao hospital João Paulo II. A Polícia Civil irá apurar o caso.

Fonte: Rondoniaovivo

Continue lendo


PUBLICIDADE