Conecte com a gente




Policial

Dois comércios e uma mansão são flagrados com furto de energia em Porto Velho

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

Nesta quinta-feira (22), dois comércios e uma residência de luxo em Porto Velho foram flagrados com furto de energia elétrica, o popular “gato”. No depósito de queijo e na oficina de motos, situados no bairro Nova Porto Velho, as equipes da Ceron/Energisa identificaram a ligação direta no poste de energia elétrica, sem o medidor que registra o consumo. Já na residência no bairro Cuniã, o ‘relógio’(medidor de energia) estava adulterado, registrando apenas cerca de 25{835a9eee7c3c38d2d69594bc36cbe4ded509bb4e8da22e4d04927f90ba7f11bd} do volume de energia consumida. A equipe da polícia técnica criminal esteve no local e fez o registro da ocorrência.

O gerente de combate a perdas da Ceron, Willian Barroso, explica que os furtos de energia elétrica prejudicam toda à população, pois impactam numa tarifa maior e ocasionam interrupções no fornecimento do serviço. “Há um planejamento da quantidade de energia elétrica que é distribuída pela rede para cada localidade. O “gato” desvia esse recurso, causa superaquecimento e até o desarme de alguns equipamentos. Estamos combatendo essas irregularidades para que os clientes tenham uma energia de qualidade e segura em suas residências”, explicou.

De janeiro a julho desse ano, a Ceron realizou mais de 50 mil inspeções em todo o estado, sendo que em cerca de 14 mil haviam irregularidades.

As denúncias de gatos de energia podem ser feitas pelo 0800 647 0120 ou pelo whatsapp (69) 9 8475 5307.

Fonte: Assessoria

Continue lendo
Publicidade
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

‘Ninguém iria matá-lo sem a permissão dela’, diz mãe do pastor Anderson sobre Flordelis

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

Carolina Heringer
Jornal EXTRA

Maria Edna do Carmo não hesita em responder as primeiras coisas que vêm à sua cabeça quando lembra do filho, o pastor Anderson do Carmo, assassinado a tiros dentro de sua casa, em Pendotiba, Niterói, no dia 16 de junho.

“O sorriso dele, lindo, e o abraço forte que ele me dava. Tenho muita saudade desse abraço. Nunca mais terei isso”, emociona-se.

Moradora de São Paulo, Edna esteve no Rio há duas semanas e conversou com o EXTRA. Ela afirma ter certeza da participação de sua nora, Flordelis dos Santos, no crime, e diz que a deputada vem tentando incriminar o vereador Wagner Andrade Pimenta, conhecido como Misael, um dos filhos afetivos.

“Ela quer tirar o corpo fora colocando a culpa no filho”, dispara Edna. Outros dois filhos da deputada – Lucas e Flávio – são réus pelo assassinato de Anderson.

Procurada, Flordelis negou as acusações feitas por Edna: “Não há nada nesse episódio que prove o que ela está dizendo. As investigações estão entregues à polícia e à Justiça, que no final provarão quem foi efetivamente o culpado e qual foi o motivo. Eu não teria motivo nenhum para isso”, afirmou a deputada em nota.

A morte do Anderson completa 4 meses em alguns dias. O que a senhora está achando do trabalho da polícia?

Acho que estão demorando muito a terminar essa investigação. Agora, está muito lento. Queria que as coisas se resolvessem mais rápido. Minha família está sofrendo muito. Queremos saber por que mataram o Anderson.

A senhora teve algum contato com a Flordelis após o crime?

Depois do enterro, não. Ela não me procurou. Mas cheguei a um ponto de não querer que ela me ligue mais ou me procure. Não quero ter contato com ela nem com ninguém de lá (da casa). Só queria meu filho vivo. Por que ela fez isso com ele?

A senhora acredita no envolvimento de Flordelis na morte de Anderson?

Tenho certeza. Nada do que ela fala é verdade. É tudo mentira. Ela distorce tudo. Por que ela não fala a verdade? Está com medo do quê? Ela acabou com a vida da minha família.

O que leva a senhora a ter certeza da participação de Flordelis no crime?

Ninguém iria matá-lo naquela casa sem a permissão dela. Se ela falasse que não, isso jamais aconteceria.

Por que seu filho foi morto? A senhora imagina qual foi a motivação do crime?

Até hoje, não sei. Realmente não imagino o que tenha acontecido. É isso que eu quero saber. Não só eu, mas o Brasil todo. Por que mandaram matar meu filho?

O Anderson relatou algum problema recente no casamento?

Ele me ligou durante todo o mês de maio. Eu perguntava a ele o motivo para aquelas ligações, quis saber se estava tudo bem com ele. Senti que havia algo acontecendo e perguntei se estava tudo bem no casamento. Ele falou que não sabia, não quis falar muito sobre isso. Senti que eles não estavam bem, mas não sei o que estava acontecendo.

O Anderson relatava que não estava bem de saúde, que vinha se sentindo mal com frequência?

Ele falava, sim. Contava que passava mal quando comia em casa. Acabava vomitando tudo que comia. Mas ele não gostava de ir a médico nem de tomar remédio. Só depois do que aconteceu fui saber que estavam colocando remédio na comida dele na casa. Já queriam matar meu filho há muito tempo. Hoje, eu só quero saber o motivo.

Recentemente, Flordelis apresentou uma carta, que disse ter recebido de Lucas (um dos filhos da deputada que são réus no caso). Ele mudou toda a sua versão do crime. O que a senhora achou dessa carta?

O Lucas mal sabia escrever. Como pode ter escrito essa carta? Queremos saber de onde que isso surgiu.

Na carta, o Lucas acusa um dos irmãos, o Misael, de ser o mandante do crime.

Misael não tem nenhum envolvimento na morte do Anderson. Vou defendê-lo até o fim. Isso é absurdo.

Por que a senhora acredita que estão acusando o Misael?

Ela (Flordelis) quer tirar o corpo fora e acusar o Misael. Isso foi tudo armado. É triste porque o Misael ajudou demais a mãe, está com ela desde o começo. O menino ia lá para o Ceasa conseguir comida para as crianças da casa comerem. O Misael ajudou a tirar a mãe da lama.

Quando o Anderson começou a se relacionar com a Flordelis, ele tinha 14 anos e ela, 30. Como a senhora via esse relacionamento?

Meu filho era muito jovem e ela era uma mulher já com três filhos. Eu ficava muito preocupada. Teve um momento que ele começou a frequentar a casa dela e voltava para casa cada vez menos. A casa era cheia de gente, adolescentes, crianças (acolhidos pela Flordelis). Era uma bagunça.

A senhora tentava levá-lo de volta para casa?

Sim. Às vezes, conseguia. Mas ele passou a voltar cada vez menos. A casa (da Flordelis) era pequena. Dormia todo mundo junto, amontoado. Na minha casa tinha tudo pra ele. Eu ficava em casa sofrendo, chorando. Aquilo cortava meu coração. E ele naquela zona. Eu perguntava ao meu filho se ela tinha feito a cabeça dele. Ele dizia que depois eu entenderia. Entendi, olha aí. Meu filho está morto. Tudo que eu fiz pelo meu filho foi em vão.

E a senhora dizia que era contra o relacionamento dele com a Flordelis?

Eu não gostava de falar para ele para não magoá-lo. Meu filho realmente achava que o lugar dele era ali, ao lado dela, com todos aqueles filhos. O Anderson dedicou a vida dele a essa família e era muito feliz. Algo que nunca entenderei é o porquê de terem feito isso com meu filho. Ele e a Flordelis poderiam ter se separado, cada um seguiria a sua vida.

A senhora tinha boa relação com a Flordelis? Em entrevista à imprensa, ela disse que sim.

Não tinha problemas, mas agora vejo que na nossa frente era uma coisa e, por trás, era outra. A gente não sabe mais o que era fingimento, mentira, e o que não era. Estamos conhecendo a verdade agora. E ela continua na igreja, pregando. Não consigo entender como. Que amor era esse que acabou com a vida do meu filho? A morte do meu filho me deixou cheia de problemas de saúde. Eu só quero uma resposta para o que aconteceu com meu menino. Só isso que quero.

Fonte: Jornal EXTRA

Continue lendo

Capital

PORTO VELHO: Acusado leva terçadada no rosto após tentar furtar carro na Zona sul

O caso aconteceu na frente do imóvel da vítima localizado na Rua Tamareira, bairro Castanheira.

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

 O casal Rafael Y. D. do N., 26 anos e Ramila de S. T., 27 anos, foi preso no final da tarde desta sexta-feira (06), após eles tentarem furtar um automóvel modelo Fiat Uno na frente do imóvel da vítima localizado na Rua Tamareira, bairro Castanheira, região sul de Porto Velho.

 De acordo com informações da vítima, ele estava roçando o quintal com um facão, quando percebeu que seu carro estava sendo furtado e mais a frente o carro parou e uma mulher entrou no veículo e saíram em alta velocidade, a vítima rapidamente seguiu o veículo com ajuda de populares e se aproximou e mandou o suspeito sair do  carro e nesse momento ele fez menção de pegar uma arma e a vítima deu uma terçadada no rosto do suspeito que ainda tentou acelerar o veículo e acabou batendo deixando a frente do automóvel amassado, e mesmo lesionado ele ainda tentou correr e foi preso mais a frente com a comparsa.

Suspeito

A vítima levou um corte na cabeça devido ter sofrido uma queda no momento que tentou abordar o suspeito e foi levado para UPA sul para sutura. O suspeito que estava com o rosto cortado também foi levado para o hospital João Paulo II para que pudesse receber atendimento médico e posteriormente encaminhado para central de flagrantes juntamente com com a suspeita Ramila.

Fonte: NewsRondonia

Continue lendo

Capital

Irmão mata a irmã com tiro na cabeça por dívida na zona leste de Porto Velho

Após ser constatada a morte da vítima, dois elementos, ambos com 19 anos, entraram na casa e pegaram a arma que estava jogada e saíram, porém foram alcançados por populares.

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

Porto Velho, Rondônia – Um jovem identificado como Ítalo Venâncio Lima Vieira, 18 anos, matou a própria irmã,  Davilla Vitória Lima Vieira, 19 anos, com um tiro na cabeça durante a noite desta  sexta-feira (06), no quarto de uma residência localizada na rua Cabo Verde, bairro Três Marias, setor leste de Porto Velho. O atirador foi preso horas depois. 

De acordo com informações de  testemunhas, a vítima estava no quarto quando o irmão chegou e cobrou uma suposta dívida  e logo em seguida  efetuou um disparo na cabeça dela, quase à  queima roupa. O elemento ainda esperou a chegada do Samu; só então fugiu correndo.

Após ser constatada a  morte  da vítima, dois elementos,  ambos com 19 anos, entraram na casa e pegaram a arma que estava jogada e saíram, porém foram alcançados por populares. A  Polícia Militar militar  prendeu a dupla com a  arma de fogo calibre 28 de fabricação caseira.

Qustionados sobre a arma, um deles disse à polícia que era de sua propriedade e que havia emprestado para o acusado, mas  não fazia ideia sobre um possível crime, quanto mais contra a própria irmã.

Mais tarde, policiais da Delegacia de Crimes Contra a Vida prenderam Ítalo Venâncio. 

Arma do crime resgatada do local por dois elementos, que acabaram presos

Fonte: Tudo Rondônia

Continue lendo


PUBLICIDADE