Conecte com a gente




Internacional

EUA querem saída de Maduro e Juan Guaidó diz que regime se contradiz

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

Após a confirmação de que conversações vem sendo mantidas com a Venezuela, os Estados Unidos esclarecem que o diálogo apenas visa à saída de Nicolás Maduro do poder e a convocações de eleições livres no país.

As declarações do Conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca foram reiteradas por Juan Guiadó, o auto-proclamado presidente Interino da Venezuela.

Na última terça-feira (20), o presidente Nicolás Maduro admitiu a existência de contatos entre membros de seu governo e altos funcionários de Washington, confirmando declarações dadas antes pelo presidente norte-americano, Donald Trump.

“Confirmo que há meses existem contatos de altos funcionários do governo dos EUA, de Trump, e do governo bolivariano que presido, sob minha autorização expressa direta, vários contatos, vários meios, para tentar regular esse conflito”, disse Maduro em discurso em rede nacional.

“Se um dia o presidente Trump quiser conversar seriamente e traçar um plano para regularizar e resolver esse conflito, estaremos sempre preparados para dialogar”, acrescentou o líder venezuelano.

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo
Publicidade
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Internacional

Flórida declara estado de emergência enquanto aguarda furacão Dorian

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

A Flórida decretou estado de emergência na quarta-feira (28) enquanto aguarda o furacão Dorian, que deve chegar ao leste do estado na tarde de domingo (1º) depois de passar perto do norte das Bahamas no sábado (31).

Especialistas alertam que o furacão pode vir a ser classificado como de grau 3, um “furacão poderoso”, quando chegar à Flórida, com ventos de mais de 178km/h. Na quarta-feira (28), quando passou pelas ilhas do nordeste do Caribe, era classificado como grau 1. O furacão Maria, que atingiu Porto Rico em 2017, era classificado como grau 4.

Dennis Feltgen, meteorologista do Centro de Furacões em Miami, disse que Dorian se fortaleceria e poderia atingir qualquer lugar do sul da Flórida à Carolina do Sul.

“Esta será uma grande tempestade se aproximando do sudeste”, disse Feltgen.

O governador da Flórida, Ron DeSantis, pediu no Twitter que os moradores da costa leste estocassem pelo menos sete dias de suprimentos, preparassem suas casas e seguissem a rota do furacão.

Os governos dos condados da costa leste do estado distribuíram sacos de areia, e os moradores foram às pressas a armazéns varejistas para estocar água, alimentos enlatados e suprimentos de emergência.

A Guarda Costeira dos EUA alertou que todos os barcos no porto de Key West, na Flórida, devem procurar um porto seguro antes do início do fim de semana, que é seguido pelo feriado do dia do trabalho (2). Embarcações também devem deixar o porto antes da chegada de Dorian.

Uma base da Força Aérea americana em Cape Canaveral, lar do maior espaçoporto dos Estados Unidos, entrou nos estágios iniciais dos preparativos para furacões na quarta-feira (28).

Sem grandes danos no Caribe

O furacão passou por Porto Rico e pelas Ilhas Virgens dos Estados Unidos sem causar grandes estragos, apesar de alguns cortes de energias e inundações.

“Estamos felizes porque não há danos a anunciar”, declarou o prefeito de Culebra, em Porto Rico, à Associated Press. Apenas uma comunidade ficou sem energia, segundo ele.

Em Bayamón, em Porto Rico, um idoso de 80 anos morreu na quarta-feira (28) depois que caiu tentando subir no telhado para limpá-lo de detritos antes da tempestade.

A ilha, um território americano não incorporado, ainda se recupera do furacão Maria, que atingiu o lugar há dois anos e matou mais de 4,6 mil pessoas. Os 3,2 milhões de habitantes também dependem de uma rede elétrica instável, ainda propensa a interrupções desde que foi destruída pelo furacão de 2017.

Nas Ilhas Virgens americanas, o furacão causou um blecaute em St. Thomas e St. John, e causou quedas de energia em St. Croix, segundo um porta-voz do governo informou à AP. O furacão também derrubou pelo menos um poste elétrico em St. Thomas, mas não houve relatos de grandes inundações.

“Estamos gratos por não ter sido uma tempestade mais forte”, declarou.

Não houve relatos de danos sérios nas Ilhas Virgens Britânicas, onde o governador Augustus Jaspert disse que as equipes já estavam limpando estradas e inspecionando infraestrutura no final da tarde de quarta-feira (28).

Antes, Dorian havia causado falta de energia e derrubado árvores em Barbados e Santa Lúcia e causado inundações em ilhas, incluindo a Martinica.

Fonte: G1

Continue lendo

Internacional

Presidente da Coreia do Sul acusa Japão de desonestidade

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, acusou o Japão de ter sido desonesto sobre a razão para o aumento nos controles de exportação a seu país.

Moon falou em uma reunião do Gabinete hoje (29), um dia após o Japão remover a Coreia do Sul de uma lista de parceiros comerciais beneficiados com procedimentos de exportação simplificados.

O presidente sul-coreano disse que o Japão precisa ser honesto sobre a razão para sua retaliação econômica. Ele afirmou que Tóquio está tentando justificar a medida modificando sem qualquer fundamento o que diz.

Ele também afirmou que o Japão precisa enfrentar o passado. Moon disse que a atitude do governo japonês de não reconhecer ou pedir desculpas pelos erros passados causa mais dor às vítimas.

O presidente sul-coreano também fez referência às ilhas Takeshima no Mar do Japão. A Coreia do Sul controla as ilhas e o Japão as reivindica. O governo japonês sustenta que elas são parte inerente de seu território e que a Coreia do Sul as ocupa ilegalmente.

Moon Jae-in disse que as ilhas foram as primeiras vítimas da agressão imperialista do Japão. Ele afirmou que o Japão não modificou sua reivindicação absurda de que as ilhas fazem parte de seu território.

Em um discurso proferido no dia 15 de agosto, o presidente sul-coreano havia pedido diálogo e cooperação ao Japão. Entretanto, Moon teria demonstrado abertamente seu descontentamento após o que considerou como uma falta de resposta de Tóquio ao seu discurso.

O gabinete presidencial da Coreia do Sul disse que o Japão comprometeu o orgulho nacional dos sul-coreanos e que essa foi uma das razões para dar fim ao Acordo de Segurança Geral de Informações Militares (GSOMIA) com o Japão.

Analistas dizem que Moon está adotando uma retórica mais forte contra Tóquio numa tentativa de desviar as críticas relacionadas a um escândalo envolvendo seu escolhido para o cargo de ministro da Justiça.

Hoje, em Tóquio, o secretário-chefe do gabinete japonês, Yoshihide Suga, disse que o trabalho no período da guerra é a maior questão entre Japão e Coreia do Sul.

A Suprema Corte sul-coreana ordenou que empresas japonesas indenizem autores de ações que alegam terem sido forçados a trabalhar para essas companhias durante a Segunda Guerra Mundial.

O governo japonês disse que a questão do direito de exigir indenizações foi resolvida em um acordo de 1965.

Suga afirma que o governo vai continuar a exortar a Coreia do Sul a retificar a atual situação, que viola o direito internacional.

Perguntado sobre as repetidas críticas de Moon ao Japão, Suga disse que o governo vai se abster de comentar declarações individuais do presidente da Coreia do Sul.

Suga afirmou que as relações bilaterais permanecem bastante tensas em meio a uma série de medidas negativas e irracionais adotadas por Seul.

Ele disse que o Japão vai continuar a pedir que a Coreia do Sul responda de maneira razoável, com base em uma posição consistente sobre várias questões.

Fonte: NHK

Continue lendo

Internacional

Encontrado fóssil de antepassado do Homem com 3,8 milhões de anos

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

O crânio completo fossilizado dá novas informações sobre a morfologia crânio-encefálica do ‘Australopithecus anamensis’, a espécie de hominídeo do género dos australopitecos (‘Australopithecus’) mais antiga, que vinha sendo datada entre 4,2 e 3,9 milhões de anos.

A equipe de especialistas que analisou o fóssil, descoberto em fevereiro de 2016 na região de Afar, na Etiópia, admite que o ‘Australopithecus anamensis’ terá coexistido durante cerca de 100 mil anos com uma outra espécie de australopiteco, que a sucedeu, a ‘Australopithecus afarensis’, da qual foi encontrado em 1974, na mesma região, o fóssil “Lucy”, com 3,2 milhões de anos.

Ambos os fósseis foram descobertos por peritos do Museu de História Natural de Cleveland, nos Estados Unidos, que divulga em comunicado os resultados do estudo do fóssil do crânio, também publicados na revista científica Nature.

Segundo o comunicado do museu, o crânio fossilizado, o primeiro da espécie ‘Australopithecus anamensis’ descoberto, está datado no intervalo de tempo entre 4,1 e 3,6 milhões de anos, em que os fósseis dos antepassados humanos são “extremamente raros”, especialmente fora da jazida paleontológica de Woranso-Mille, na região etíope de Afar.

A idade do fóssil do crânio do ‘Australopithecus anamensis’ – 3,8 milhões de anos – foi calculada por uma equipa da universidade norte-americana Case Western Reserve, em Cleveland, que datou os minerais das camadas rochosas vulcânicas nas proximidades do local onde o fóssil foi encontrado.

O crânio fossilizado partilha características com a espécie ‘Australopithecus afarensis’, mas também com outras mais antigas, como as dos géneros de hominídeos ‘Sahelanthropus’ e ‘Ardipithecus’.

O fóssil tem traços distintos em relação a um fragmento de um crânio fossilizado que foi descoberto em 1981 no sítio paleontológico de Belohdelie, igualmente da região etíope de Afar, e que os especialistas datam de 3,9 milhões de anos e como pertencendo à mesma espécie de “Lucy”.

Tal significa, segundo os autores do estudo, que o ‘Australopithecus anamensis’ terá coexistido cerca de 100 mil anos com o ‘Australopithecus afarensis’.

De acordo com uma das coautoras da investigação, Naomi Levi, da Universidade de Michigan, também nos Estados Unidos, o antepassado de ‘Lucy’ terá vivido perto de um grande lago que estava a maioria das vezes seco.

“Estamos ávidos por realizar mais pesquisas sobre estes depósitos para compreender as condições ambientais do espécime de ‘Australopithecus anamensis’, a relação com as alterações climáticas e de que forma ou não afetaram a evolução humana”, afirmou, citada no mesmo comunicado.

Fonte: Notícia ao Minuto

Continue lendo


PUBLICIDADE