Conecte com a gente




Economia

Imigrantes investiram R$ 1,5 bi no Brasil em sete anos

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

Imigrantes de várias nacionalidades investiram mais de R$ 1,5 bilhão no Brasil entre os anos de 2011 e 2018. A informação foi obtida por especialistas do Observatório das Migrações Internacionais (OBMigra) e consta de um relatório sobre os fluxos migratórios que o Ministério da Justiça e Segurança Pública divulgou ontem (22).

Segundo o coordenador científico do observatório, o professor do Departamento de Estudos Latino-Americanos da Universidade de Brasília, Leonardo Cavalcanti, em apenas sete anos, os imigrantes investiram R$ 1.565.245.869,00 em negócios no Brasil. Dinheiro integralmente captado no exterior e alocado em diversos negócios, como hotéis, pousadas, restaurantes e pequenos estabelecimentos comerciais.

Só em 2018, o Brasil obteve mais de R$ 186,3 milhões em investimentos feitos por imigrantes já autorizados a viver no país, ou que tinham pedido autorização prévia para residência. O montante é duas vezes superior aos R$ 92,99 milhões registrados em 2017. Do total acumulado no ano passado, R$ 111 milhões foram investidos por imigrantes que já viviam no país e R$ 68 milhões por aqueles que aguardavam resposta ao pedido prévio de residência.

“É um valor considerável, um investimento potente que os imigrantes fazem no país”, disse Cavalcanti, explicando que estes empreendedores vêm principalmente da Itália, França, Japão e Coreia. E que buscam oportunidades de negócios por todo o território brasileiro.

“É uma aplicação muito capilarizada, com muita força na região Nordeste, devido principalmente ao atrativo turístico e ao Porto do Pecém [no Ceará]. Se fizermos um cálculo racional, concluiremos que o país que acolhe o imigrante ganha. Inclusive financeiramente”, acrescentou o coordenador, destacando os ganhos difíceis de serem contabilizados. “A maioria destes imigrantes chega ao país em idade ativa, pronto para trabalhar, formado. Há um ganho de recursos intangíveis com este fluxo e é preciso ajustar as políticas públicas de forma a aproveitarmos de forma idônea esta possibilidade.

A maior parte destas pessoas tem entre 20 e 39 anos, é do sexo masculino e possui ensino médio ou superior completo. As duas nacionalidades mais comuns entre os imigrantes são os haitianos (que, inclusive, continuam sendo a principal fonte de mão de obra imigrante para o mercado de trabalho brasileiro formal), os venezuelanos e bolivianos.

A versão do Relatório Anual do Observatório das Migrações Internacionais aponta que, entre 2011 e 2018, 774,2 mil imigrantes se fixaram no Brasil de forma legal, com todo amparo legal. Destes, 492,7 mil se encaixam na categoria que especialistas classificam como imigrantes de longo termo, ou seja, aqueles que, geralmente, permanecem no país por mais de um ano.

Para o coordenador do OBMigra, além de aproveitar os investimentos em negócios, o Brasil precisa seguir o exemplo de países que têm procurado atrair pessoas dispostas a adquirir uma casa para residirem ou terem onde ficar de tempos em tempos. Segundo Cavalcanti, a Resolução Normativa nº 36, aprovada no ano passado, já trata das vantagens concedidas a estrangeiros que invistam em ativos imobiliários, mas é necessário dar maior publicidade a isto no exterior.

“Todos os países têm este ativo e o Brasil não pode ficar de fora. Outros países da América Latina já estão trabalhando para atrair este público. O Brasil já conta com esta opção e, hoje, se um imigrante adquirir um imóvel no Brasil, passará a ter direito de residir no país. O que precisamos é divulgar melhor isto, pois, até agora, recebemos poucos investimentos deste tipo”, afirmou Cavalcanti.

Segundo o coordenador, outro aspecto a que as autoridades públicas devem estar atentas é na elaboração de políticas públicas que não permitam a discriminação dos imigrantes que chegam ao país fugindo de guerras, perseguição política e desastres ambientais, na maioria das vezes, sem condições mínimas para investir.

“Há pessoas que chegam ao Brasil fugindo de situações muito delicadas e que se, na maioria das vezes, não têm recursos financeiros, têm um bom nível de escolaridade e experiência profissional. Apesar de que, quem migra, geralmente tem algum recurso, pois as pessoas mais vulneráveis não conseguem migrar. É como no Brasil, onde as famílias em maior vulnerabilidade não conseguem sequer viajar de uma cidade a outra. Imagina deixar seu país. Ao chegar ao seu destino, muitas destas pessoas demonstram uma capacidade empreendedora que o Brasil não pode desperdiçar. É preciso inserir a todos os que chegam em busca de oportunidades”, comentou Cavalcanti.

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo
Publicidade
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Criança de 6 anos usa dinheiro de viagem de aniversário da Disney World para alimentar os evacuados do furacão Dorian

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

Um compassivo garoto de 6 anos da Carolina do Sul usou o dinheiro que economizou para uma viagem à Disney World para ajudar a alimentar os apanhados no furacão Dorian.

Jermaine Bell, que deve completar sete anos em alguns dias, usou o dinheiro que economizou para uma viagem de aniversário ao Disney World Animal Kingdom para comprar centenas de cachorros-quentes, batatas fritas e garrafas de água para aqueles que fogem de suas casas antes da chegada do chegada da tempestade.

“As pessoas que estão viajando para ir a lugares, eu queria que eles tivessem comida para comer, para que pudessem aproveitar o passeio até o local onde ficarão”, disse ele à  WJBF . “Eu queria ser generoso e viver para dar.”

De acordo com a  CNN , esse jovem único estava pacientemente na estrada, segurando duas placas artesanais para chamar a atenção das pessoas que estavam se afastando do perigo – em um dia, ele serviu cerca de 100 evacuados.

Mas Jermaine não parou de fornecer alimento físico aos residentes assustados, ele também se ofereceu para ajudá-los espiritualmente, perguntando: “quer que eu ore por você?”

“Ele até orou por uma família enquanto eles estavam aqui, em referência à casa deles estar bem quando voltaram, o que realmente caiu em lágrimas”, explicou a avó de Jermaine.

Jermaine acrescentou que ainda planeja “ir ao Animal Kingdom e ver muitos leões e fazer uma festa do Rei Leão”, depois que a tempestade passar.

A bondade do garoto não passou despercebida, com o famoso evangelista Franklin Graham elogiando-o nas mídias sociais. “Que impacto – caminho a percorrer Jermaine! Jesus disse: ‘É mais abençoado dar do que receber’ ( Atos 20:35 ) ”, escreveu Graham   no Facebook.

Ele continuou: “O sétimo aniversário de Jermaine está chegando em 8 de setembro. Você deseja a ele um feliz aniversário e que ele saiba o que pensa sobre suas ações generosas e atenciosas nos comentários abaixo?”

Deus abençoe esse garoto incrível!

Fonte: ChristianHeadlines

Continue lendo

Economia

Nova CPMF enquadraria até Netflix e Uber, diz Paulo Guedes

Guedes defende que seja criado um imposto nos mesmo moldes da antiga CPMF (Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira).

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira (5) que a sociedade terá que tomar uma decisão sobre a volta de um imposto sobre movimentação financeira.

Guedes defende que haja uma diminuição nos encargos trabalhistas, mas que em contrapartida seja criado um imposto nos mesmo moldes da antiga CPMF (Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira), aplicada entre 1997 e 2007. O ministro disse que seria uma maneira de taxar, por exemplo, transações financeiras relacionadas a empresas como Netflix (streaming) e Uber (aplicativo de transporte).

“O que você prefere? Bota 0,2% aí, o FHC criou [a CPMF], arrecadou tão bem. O padre pagou, o traficante pagou, porque almoçou tá lá cobrando. Então vamos ter que escolher, cair o encargo trabalhista de 20% para 10%, 15%, com o imposto sobre movimentação junto”, afirmou Guedes.

“Vamos dar essa escolha para a sociedade. Como pego o Netflix, o Uber? Assim eu pego. Podemos arrecadar R$ 100 bilhões, R$ 150 bilhões e podemos criar também 5 milhões de empregos com a diminuição do encargo trabalhista.”

O ministro deu uma palestra a empresários em Fortaleza, em sua primeira visita ao Nordeste desde que assumiu a pasta, em janeiro. O imposto, que ainda não tem nome, entraria na reforma tributária que será enviada ao Congresso nos próximos meses. Guedes não deu uma data precisa de quando será finalizada a proposta.

O ministro falou também sobre a reforma da Previdência e agradeceu ao senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) por incluir estados e municípios no texto que será analisado pelo plenário do Senado depois de aprovado pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), mas lamentou o que chamou de desidratação em alguns pontos que deve dimimuir a economia nos gastos do governo de R$ 1 trilhão para pouco mais de R$ 900 bilhões em dez anos. Tasso estava na plateia.

“Lamento a desidratação original, entendo mas lamento, mas agradeço a inclusão dos estados e municípios. Acredito que o Senado vai recompor a estrutura básica no plenário. Vimos mais de um milhão de pessoas nas ruas aprovando a reforma, isso é maturidade. O problema do Brasil foram 40 aos de descontrole dos gastos público”, disse Guedes, que reiterou que será necessário fazer um sistema de capitalização senão a cada cinco anos será preciso outra reforma da Previdência.

“Não é a solução definitiva [o que foi aprovado]. Vai limpar o horizonte uns 15 anos, mas lá na frente vai voltar o fantasma”, disse.

Ele afirmou ao final não estar frustrado com o crescimento projetado para 2019 -segundo o IBGE o país cresceu 0,4% no segundo trimestre e a projeção para o ano é de 1%.

“Não estou frustrado, o orçamento previa 2,5% de crescimento, mas vai crescer meio mesmo, o Brasil está acuado, está lá no chão”, afirmou. 

Fonte: Notícia ao Minuto

Continue lendo

Economia

BR-364: ultrapassagem indevida causa acidente entre carro e caminhão

Motorista tenta realizar ultrapassagem indevida em rotatória da BR-364

Editoria Jornal O Cristão

Publicado

em

O acidente de trânsito aconteceu na tarde desta sexta-feira, 06 de Setembro, na rotatória da BR-364 que dá acesso a avenida Paraná, no bairro Industrial Tancredo Neves, em Vilhena.

Conforme apurado, o motorista do veículo Peugeot 207 Passion de cor preto e placas de Vilhena/RO e transitava pela avenida Paraná e ao acessar a rotatória, tentou passar pela direita de um caminhão, provocando o acidente.

O motorista do caminhão Scania 480 de cor vermelho e placas de Vilhena/RO transitava no mesmo sentido, e estava realizando conversão para seguir pela BR-364 sentido Porto Velho, quando atingiu o carro cujo motorista realizava ultrapassagem indevida.

Ambos envolvidos não sofreram ferimentos e trocaram dados pessoais para futuro registro de ocorrência na Unidade Integrada de Segurança Pública (UNISP).

Fonte: Rota Policial News

Continue lendo


PUBLICIDADE